Certas PalavrasPágina de Marco Neves sobre línguas e outras viagens

Surpresa: os estrangeiros também sentem saudades!

lisbon-768199_1280Parece que os gregos chamavam «bárbaros» aos pobres coitados que não sabiam grego. E, claro, andavam convencidos que os tais bárbaros eram gente estranha e um pouco tola. É fácil de explicar: se falavam outra língua, não deviam perceber grande coisa do mundo — pois se o mundo é tão claro em grego!

Ora, a verdade é que essa ilusão do barbarismo dos outros persiste mesmo numa época como a nossa, em que muitos já aprenderam outras línguas. É uma ilusão mais vaga, claro está: mas nota-se quando dizemos, por exemplo, que esta ou aquela palavra não tem tradução ou que há um ou outro sentimento que é exclusivo dos portugueses. Sim, estou a falar do mito da saudade, de que já aqui falei — um mito que ainda ontem um amigo facebookiano (António Chagas Dias) chamou de «ilusão de Babel». Sim, para muitas pessoas, as línguas diferentes separam-nos de forma irremediável.

Esta ilusão vai beber a uma constatação: o mundo é tão claro e directo na nossa língua e tão difícil de descrever na língua dos outros… Logo, concluímos nós sem pensar muito no caso, as outras línguas não conseguem transmitir o nosso mundo, o mundo visto pelos olhos dos Portugueses. Daí prosseguimos, felizes: há uma forma muito própria de ver e sentir o mundo que está inscrita da nossa língua. Com uma pirueta desaconselhada a cardíacos, concluímos: há sentimentos que são apenas e só dos Portugueses! Ah, valentes!

Isto, lamento dizer-vos, é uma ilusão. Uma ilusão subtil, mas uma ilusão — e acreditem que encontramos este mito nas mentes mais inteligentes e nos escritos mais profundos. Pois quantos tratados não se fizerem à volta duma palavra como «saudade»?


Vamos pôr ordem nas nossas ideias: sim, em certas frases muito raras, a palavra «saudade» é difícil de traduzir. Mas não é impossível: os tradutores pegam na frase em que a palavra aparece e traduzem a frase. Têm de escolher a melhor forma — e escolhem. Não é muito diferente do que acontece em tantos outros casos de palavras que não têm uma correspondência directa na outra língua. E a verdade é que até encontramos algumas correspondências bastante directas (como «dor», em romeno).

Como há muito tempo disse por aqui, ainda está para vir o dia em que um livro traduzido aparece com um espaço em branco e uma nota do tradutor a dizer «esta palavra não tem tradução e o caro leitor nunca irá compreendê-la pois não é português».

Isto porque qualquer que seja o sentimento que a palavra está a expressar naquela frase, não será certamente exclusivo deste canto à beira-mar. Não, os estrangeiros não têm um qualquer bloqueio físico a impedi-los de sentir esse sentimento tão humano que é a saudade.

Vá, temos de admitir: não existem sentimentos exclusivamente portugueses. O que existe, isso sim, são atalhos um pouco mais curtos para chegar ao mesmo sítio. Ou como quem diz, palavras que mais directamente nos ligam a esta ou àquela emoção.

Porque os outros não são bárbaros. Apenas falam uma língua diferente.

Receba os próximos artigos

Autor
Marco Neves

Professor na Universidade Nova de Lisboa, tradutor na Eurologos e autor da História do Português desde o Big Bang.

Comentar

Certas Palavras
Blogs do Ano - Nomeado Política, Educação e Economia