Certas PalavrasPublicação de Marco Neves sobre línguas e outras viagens

Cinco mitos sobre o Acordo Ortográfico

Foto do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo.

Mais do que qualquer outro assunto sobre a nossa língua, o Acordo Ortográfico estimula paixões, ódios e debates intermináveis. Mas, para lá das nossas opiniões sobre o dito Acordo, podemos tentar desfazer alguns mitos recorrentes:

1. “‘Facto’ agora escreve-se ‘fato'”. Não. Em Portugal, onde o “c” de “facto” é lido por todos, a forma correcta é “facto”. O mesmo acontece com “contacto”, por exemplo.

2. “Os dias da semana passam a escrever-se com minúscula.” Sim, é verdade que devemos usar minúscula em segunda-feira, terça-feira, etc. Mas a culpa não é do acordo: já era assim na ortografia pré-Acordo.

3. “‘Cágado’ perde o acento.” Seria divertidíssimo, mas não é assim. Nenhuma palavra esdrúxula perde o acento por causa do Acordo Ortográfico. Já “pára” perde, de facto, o acento, deixando-nos um pouco à nora…

4. “O Brasil adiou a aplicação do Acordo.” O Acordo é hoje aplicado por uma grande parte da sociedade brasileira, estando em vigor desde 2009. O que foi adiado foi o fim do período de transição, que passou de 2012 para 2016.

5. “O acordo unifica a ortografia da língua.” Até ver, não só não unificou como criou três ortografias: a brasileira, a portuguesa e a dos países africanos de língua oficial portuguesa (que, à excepção de Cabo Verde, seguem a ortografia pré-Acordo). Assim, no Brasil escrevemos “recepção”, “fato”, “ator”. Em Portugal, escrevemos “receção”, “facto”, “ator”. Em Angola, escrevemos “recepção, “facto”, “actor”. Portanto, temos agora três ortografias oficiais da Língua Portuguesa…

Autor
Marco Neves

Tradutor na Eurologos, professor na Universidade Nova de Lisboa e autor da Gramática para Todos.

Certas Palavras
Blogs do Ano - Nomeado Política, Educação e Economia