Categories
Português

«Despoletar» ou «espoletar»? (por Fernando Gomes)

Conheci o Fernando Gomes numa das inúmeras discussões sobre a língua por que passo no Facebook. É sempre muito divertido conversar com ele e aprende-se muito sobre a língua — e não só. Aqui ficam algumas palavras que escreveu sobre a palavra «despoletar», que muitos insistem em considerar o contrário de «espoletar». Fica também a ligação a este artigo de Vasco Graça Moura sobre a mesma palavra, artigo que li por sugestão do Fernando. Ah! Não é a primeira vez que o Fernando aparece neste blogue… 


A espoleta e os seus derivados linguísticos

Uma espoleta é um artefacto de metal ou madeira que determina a inflamação de uma carga explosiva em projécteis ocos. As espoletas podem ser de percussão ou de tempo. No primeiro caso, a explosão ocorre quando o movimento do projéctil é interrompido bruscamente, ou seja, quando choca com algo (algumas granadas de morteiro, por exemplo); no segundo caso, a espoleta é constituída por uma substância explosiva com uma velocidade de combustão definida (geralmente 4 a 6 segundos), que é inflamada no momento do lançamento do projéctil. Estão neste grupo as granadas de mão.

As granadas de mão têm uma cavilha de segurança que trava a alavanca. A cavilha pode ser retirada, e a alavanca continuar presa pela mão que segura a granada. Quando esta é projectada, a alavanca solta-se, destravando o percursor que, por acção de uma mola, percute a espoleta e dá início à combustão. Esta, por intermédio de um detonador, vai provocar a detonação da carga explosiva.

Não há qualquer dúvida de que «espoleta» e palavras derivadas têm origem militar. Quando dei instrução no exército, antes de 1990, uma granada em que a espoleta tinha sido percutida dizia-se «despoletada». Despoletar a granada era dar início ao processo que originaria a detonação.

Algumas notas sobre o assunto:

1. Se «espoletar» significa «pôr espoleta em», refere-se ao fabrico de granadas. É então que a espoleta é colocada. Mas a espoleta, só por si, não dá origem a qualquer deflagração. Quem transporta uma granada transporta-a espoletada (nesta acepção). Logo, não faz sentido usar «espoletar» como sinónimo de «deflagrar».

2. Se «despoletar» é «tirar ou desarmar a espoleta, impedindo a explosão», então é uma operação técnica destinada a inutilizar a granada (apesar de ser mais seguro retirar a carga explosiva e o detonador). Algo que, a ser feito, será raro, não se coadunando com a frequência do termo na linguagem operacional militar.

3. «Espoletar» nunca fez parte da linguagem militar. Foi dicionarizado para justificar «despoletar» como «des + espoletar».

4. Dicionarizar «espoletar» para justificar «despoletar» é o mesmo que criar «escontar» com o sentido de «aumentar o preço de, acrescentar valor a» para justificar «descontar» (des + escontar).

5. Dizer que «espoletar» é «pôr espoleta em» faz tanto sentido como dizer que «detonadorar» ou «detonadorizar» é «colocar detonador em». Se não há termo para a colocação do detonador (ou de outros componentes) numa granada, porque haveria para a colocação da espoleta?

6. Aplicar o prefixo «des» a «espoletar» deveria originar «desespoletar», tal como em «esperar/desesperar», «estabilizar/desestabilizar», «estimar/desestimar», «escolarizar/desescolarizar».

7. Temos uma palavra, «despoletar», que está dicionarizada com um sentido e o seu contrário, e outra, «espoletar», com uma definição ilógica e com a mesma acepção de um dos sentidos de «despoletar». Se isto não é uma parvoíce, não sei o que será.

8. Há palavras começadas por «es» em que a anteposição de um «d» (provavelmente por redução de um prefixo «de») não lhes altera o sentido ou apenas lhes confere intensidade: «espedaçar / despedaçar», «escrever / descrever», «esfiar / desfiar», «esmaiar / desmaiar»… Neste cenário, «despoletar» seria apenas uma variação de «espoletar», e esta o mesmo que «armar a espoleta e levar à deflagração do engenho» e não «pôr espoleta em».

9. Com «deflagrar», «desencadear», «ocasionar», «provocar», «originar» à disposição, porquê a insistência em se usar um termo polémico de origem técnico-militar?


Fernando Gomes nasceu em 1966. Gosta de coisas simples que pareçam complexas e vice-versa. Já foi socorrista, taxista, informático, músico, técnico de som, letrista e mais o que já esqueceu… Não sabe o que será amanhã nem quer saber. A sua única ambição é ir ludibriando a morte a cada dia que passa.

Receba os próximos artigos

19 comentários

Já me tinha interrogado várias vezes acerca deste termo e, na dúvida, enquanto tradutora de profissão, investiguei se estava dicionarizada antes de a escrever. Li a descrição, os ditos sinónimos, e, de facto, empreguei-a. Agradeço o esclarecimento mais pormenorizado, informação deste calibre é sempre útil e bem-vinda. Mas permitam-me ser pouco coerente com o que acabei de dizer. Em termos técnicos e semânticos, reconheço que, havendo outras hipóteses, podemos perfeitamente contornar a questão e usar outra palavra semelhante. Porém, no lado mais subjetivo da questão, não é que eu gosto mesmo da palavra despoletar? Gosto do som e daquilo que transmite, num sentido mais explosivo… Idiossincrasias, portanto! Cada um com as suas manias…

Com todo o respeito pelo pertinente trabalho que fizeram tenho de vos dizer que não vejo outra palavra para “retirar a espoleta” que não seja despoletar. Ora quando se tira a espoleta retira-se da granada o fulminante que provocará a ignição da carga explosiva, logo inibe-se a granada. Antes pelo contrário para a fazer explodir, depois de colocada a espoleta – que é o tal fulminante – retira-se a cavilha e, convenientemente, atira-se a granada para longe. Que explodirá. Ora o que me parece que se pretende dizer na integração deste vocábulo no discurso e escrita de hoje é “desencadear”. Durante uns anos, na recruta e mesmo no chamado, e muito bem, terreno de operações, sempre ouvi dizer “retira a cavilha, pá!”, nunca “despoleta, pá!”. Além disso “desencadear” é muito explícito e tem imensa força.

José Carlos Oliveira, a espoleta não se retira a não ser para inutilizar a granada, e para a retirar é preciso abrir a granada. Alguém faz isso? Mas mesmo que fizesse, a palavra correcta não seria «desespoletar», considerando que «espoletar» é colocar a espoleta ? Quando diz «depois de colocada a espoleta» está a falar de quê? A espoleta é colocada no fabrico da granada. Quando é transportada, já traz a espoleta preparada. Não é algo que se faça antes de a lançar. Só estou a repetir o que está no texto porque dá mesmo a sensação de que não o leu todo.

Caro Fernando Gomes. A espoleta é um “fulminante”, altamente explosiva, que nas deslocações motorizadas e por segurança é transportada separadamente em caixas com serradura, e que na altura do avanço pedestre é enroscada na granada. E mesmo então havia quem o não fizesse de imediato e as colocasse num dos bolsos do camuflado, o que muitas vezes provocava a sua explosão, com sérios danos físicos ou mesmo a morte, em consequência de uma simples queda no terreno. Claro que se se enrosca também se pode desenroscar ou seja, despoletar, embora não me recorde de ter visto alguém fazê-lo. De qualquer forma, insisto, use-se desencadear para significar isso mesmo.

Gosto do termo despoletar usado no sentido de desencadear. Li a explicação, mas não me parece errado o uso do termo embora seja de origem militar e lhe contradiga ipsis verbis o sentido. Se existe, e se alguém o achar adequado, tem todo o direito.

Exactamente! Por vezes,fico sem saber se fui eu que não percebi (quem não percebeu?) o que foi explicado .

Excelente e oportuno artigo que esclarece bem a confusão frequente com a palavra despoletar. Permito-me apenas recomendar a correcção da palavra “percursor” que se relaciona com o acto de fazer um percurso; deve ser substituída por “percussor”.

João Coelho, tem toda a razão. Ainda há pouco tempo escrevi acerca do erro de dizer «instrumento de percursão» e agora caí nele por distracção. No melhor piano cai a nota. 🙂

Na opinião de alguém como eu que nunca foi militar, passei directamente à reserva, excelente artigo. Sou tradutor e já de há muito que prefiro outros vocábulos atendendo às dúvidas suscitadas por publicações sobre “espoletar/despoletar” .

Realmente, eainda que as explicações possam esclarecer o uso mais correto de espoletar e despoletar, e sendo estes vocábulos de origem militar, mais certo será deixá-los para o uso nesse contexto. Quanto a mim, e exceção para o dito contexto, mais seguro será empregar outras palavras como desencandear, etc. . Acima de tudo, agradeço este esclarecimento que pode alimentar ainda mais a discussão, ou não!
Excelente blog este que sigo com atenção e até reverência. Parabéns ao seu promotor, Marco Neves!

Espoleta é armar uma espoleta, uma peça de armas de fogo. Despoletar é dar início a uma acção que pode ser tanto para resolver um conflito, talvez a mais comum, como agravá-lo.

Engraçado como nunca colocaria essa questão linguística !! Sempre usei e uso essa palavra sem a questionar. Obrigada por mais uma aprendizagem, mas, como sou do contra (ahahahah!), gosto da palavra; adoro neologismos; sendo a língua um “corpo-vivo”, logo em constante mutação, por que não? E para além disto tudo, há verdadeiramente outras palavras, possivelmente mais corretas a utilizar, contudo, na minha humilde opinião, não têm a “força” de “despoletar”.
Neste momento, deixaram-me “um peso na consciência” por usá-la erradamente e uma certa frustração porque sei que a evitarei, apesar de tanto dela gostar, por saber que é errada!
Obrigada.

Na nota 4. parece-me que a palavra “descontar” vem de “des + contar” no sentido em que a contar se aumenta o valor e a descontar se diminui. (Mas dá para perceber a ideia à mesma)

Ana Wemans, usei esse exemplo um pouco tonto, justamente para mostrar o ridículo da coisa. «Descontar» vem de «des + contar», uma espécie de «contar para trás ou para baixo». 🙂

Bem, na tropa ensinaram-se a despoletar o raio da granada, mas eu não era e não sou militar de carreira. Enfim, mas por que estamos a despoletar esta questão quando temo outras palavras que valem o mesmo? Talvez a passagem pela tropa me tenha feito uma lavagem ao cérebro e agora ainda a utilizo, mas sem munições.
Gostei do artigo, parabéns!

Fernando Gomes, nem de propósito! Ainda há pouco, uma pessoa que eu muito estimo, publicou um estado (neste caso pode dizer-se de confusão), no Facebook sobre o “diacho” da palavra, muito em voga na comunicação social, mas tantas vezes com o real significado posto em causa. Gostei da explicação, mas também partilho a ideia que com tantos vocábulos com o mesmo significado postos à disposição, porquê a insistência neste? Pode ser que em breve, tenha o mesmo destino que aquele “na medida em que” que há uns anos, saía da boca de todo o sujeito(a) que falava diante das câmaras da TV ! Cumprimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *