Certas PalavrasPágina de Marco Neves sobre línguas e outras viagens

Qual é a origem da palavra «avós»?

Pergunto a origem da palavra assim, no plural, por uma simples razão: em português, temos três plurais da palavra. Como chegámos a este curioso (e útil) excesso?

«Avó» tem o plural feminino «as avós». «Avô» tem o plural masculino «os avôs». Além destes dois plurais, a palavra tem uma espécie de plural neutro, que é o mais comum (e faz uso dos artigos masculinos): «os avós», que se refere às avós e aos avôs. Este último plural serve também de sinónimo de «antepassados», como vemos nos famosos «egrégios avós» do nosso hino.

O que se passou com os avós? Afinal, não acontece o mesmo com as outras palavras do português, que têm dois plurais: o feminino e o masculino.

Olhemos para a história da palavra…

A palavra «avô» tem origem numa palavra do latim vulgar, que não está registada, mas foi reconstruída: «*aviolus», um diminutivo da palavra «avus» (os romanos escreveriam esta palavra como «AVVS» e lê-la-iam como /awus/ — o nosso som /v/ não existia no latim e a letra <V> representava tanto o som /u/ como o som /w/).

O tal «aviolus» transformou-se em «avoo», como consequência da tendência dos falantes da nossa língua para deixarem cair o som /l/ entre vogais. Aqueles dois «oo» tornaram-se então num «ô». Ora, como acontece em muitas palavras com um «o» que se fechou no singular, o plural manteve um «o» aberto: «avós». Também acontece o mesmo em «ovo»/«ovos» — e tantas, tantas outras palavras. Este plural masculino, numa língua como o português que não tem um género neutro, acabou por servir de plural genérico ao longo da história.

Já «avó» teve origem na palavra reconstruída «*avoila», também um diminutivo, que se transformou em «avoa» e, depois, na nossa «avó». O plural é mais óbvio: «avós».

Por caminhos diferentes, o plural de «avó» ficou igual ao plural de «avô»: a distinção de género faz-se apenas no artigo. Como os dois plurais ficaram iguais, numa forma mais próxima do singular feminino do que do singular masculino, abriu-se espaço para que surgisse a forma plural «avôs», para designar apenas os avós do sexo masculino.

A língua ganhou assim, excepcionalmente, uma palavra com três plurais: «os avós», «as avós» e «os avôs». Ninguém planeou este estado de coisas. As palavras fazem o seu percurso pelos séculos fora sem pedir autorização a ninguém. Às vezes, há quem se lembre de inventar uma ou outra palavra e limar uma ou outra aresta. Mas a língua é o resultado de milhares de pequenas histórias como esta, que reconstruímos o melhor que podemos, mas que não são planeadas.

Para terminar, sublinho: tanto «avô» como «avó» provêm (tudo indica) de diminutivos — ou seja, do «avozinho» e da «avozinha» do latim lá de casa… As formas carinhosas tornaram-se nas únicas formas usadas pelos falantes, até precisarem de novos diminutivos, também eles carinhosos. Espero que me permita, neste espírito, deixar aqui um beijinho à minha avó Leonor e ao meu avô Manuel, a quem fica dedicada esta crónica.

(Crónica no Sapo 24, baseada em texto anterior desta página.)

Receba os próximos artigos

Autor
Marco Neves

Tradutor na Eurologos, professor na Universidade Nova de Lisboa e autor da Gramática para Todos.

Comentar

3 comentários
  • Obrigada, pelo artigo – Qual é a origem da palavra «avós»? Só queria deixar aqui um breve comentário. Nas aldeias de Trás-os-Montes ainda se usava a palavra avoa nos anos 60 e talvez 70. Era eu criança e quando visitávamos a minha avó na aldeia de Cimo de Vila da Castanheira, várias pessoas usavam esse termo em vez de avó, incluindo alguns dos meus primos que ainda lá moravam. A minha avó paterna, que teria agora uns 140 anos, era professora primária, formada em Braga. Muito interessante num país onde então, a alfabetização em Portugal era então muito baixa.
    Obrigada pelas suas contribuições ao nosso conhecimento geral.
    Maria da Graça

  • Uma delícia ler os artigos desde escritor. Amo Portugal e a cultura da qual venho. Uma verdadeira luz no meio das milhares de bobagens que escrevem🙏🙏🙏

  • Prezado Marco:
    Pareceu-me curiosa esta forma tão peculiar de plural que, aparentemente e como afirma em sua bela explanação, não se repete noutro vocábulo em língua portuguesa.
    Ademais, soa-me também interessante o fato de que «avós» não seja somente plural de «avô» mais «avó». Além dos casos que assinalou, é plural também doutras duas formas: «vô» e «vó». Destarte, nestes últimos casos, mesmo se se perguntasse a uma criança, a resposta sobre o conjunto dos dois genitores dos seus pais sempre seria «avós»; nunca «avôs».
    É evidente que os miúdos recebem essa classe de noção dos adultos, porém, como nem sempre a destreza no manejo dum idioma vem pela razão, aí temos um caso de singularidade lexical.
    Cordialmente,
    Isac Nunes

Certas Palavras
Blogs do Ano - Nomeado Política, Educação e Economia