Categorias
Crónicas

Sete palavras entre a BBC e um porco de Eça

Como o extraordinário caso das crianças que entram num quarto em directo na BBC tem muito que ver com Eça de Queirós.

(1) Crianças e (2) vestidos

Por esta altura, haverá apenas sete portugueses que ainda não conhecem o vídeo das crianças a invadir uma transmissão da BBC. Se o leitor é um dos sete, não perca mais tempo. [Note-se que esta crónica foi escrita em Março de 2017. Talvez já não se lembre do vídeo. Vá lá ver de novo. Vale sempre a pena.]

O vídeo é, claro está, delicioso. Parece que estamos perante um fenómeno de viralidade (em português de lei, “partilhas em barda”) como já não se via desde o caso do vestido que era branco e dourado — ou azul e preto.

Pensava eu que este vídeo das crianças era o contraponto da foto do vestido. O vestido dividia-nos sem querer: ou éramos dos Azuis e Pretos ou dos Brancos e Dourados. Não havia meio termo. A divisão era irremediável, imediata, eterna. Um pouco como o chapéu do Harry Potter (quem não gostar desta referência a dar para o infantil, aguente a respiração que daqui pouco já trago aqui à crónica artilharia pesada da literatura).

O vestido dividia-nos. Já o vídeo das crianças vem unir-nos no riso sincero e deliciado de quem se reconhece no caos da vida em família — que tentamos esconder por trás da máscara que vestimos no mundo, ali bem à vista no fato do homem e nos livros em fila por cima da cama (até os filhos mandarem aquilo tudo abaixo). Ninguém pode deixar de rir e ficar deliciado com aquilo…

(3) Holofotes e (4) casais

Pensava eu. Mas, não: abro o Facebook e percebo que há quem tenha ficado sinceramente triste com o vídeo: encontrei gente inteligente, informada e normalmente tolerante a dissecar sem dó o comportamento daquele casal, como se todos estivéssemos preparados e soubéssemos o que fazer quando estamos em directo para a BBC e os filhos nos invadem o quarto.

Li quem dissesse que se sentiu incomodado. Li quem achasse que o único comportamento aceitável seria pegar na criança ao colo. E li ainda quem visse naquilo uma prova imediata do machismo daquele homem — porque era a mulher que estava a tomar conta das crianças.

Na verdade, não sabemos nada sobre aquele casal: não sabemos se dividem as tarefas ou não nem quem costuma tomar conta dos filhos.

Tanto quanto sei, pode até dar-se o caso de a mulher ser famosa na Coreia e o pai passar os dias a tomar conta dos filhos enquanto ela fala na televisão. Vai-se a ver e aquele foi o único dia em que foi o pai a falar na TV.

É provável? Não. Mas é possível. Não sabemos. Aquele momento nada diz sobre como é a vida daquele casal, para lá do estonteante facto de terem filhos que gostam de ir ver o que o pai está a fazer.

O momento não os define — mas, suspeito, vai marcar aquele casal durante muitos e bons anos.

(5) O Eça e (6) um porco

Eu avisei que vinha aí artilharia literária. Aqui está: lembram-se de «Frei Genebro», o conto de Eça de Queirós? Um frade de vida santa corta a perna a um porco para dar de comer a um eremita. Sim, Frei Genebro foi cruel para o pobre animal. Mas todo o resto da sua vida foi de uma perfeição a toda a prova.

Pois, quando morre, na balança divina, vemos toda a vida de santidade num dos pratos e, do outro, o pobre porco mutilado.

Deus, com o sentido de justiça implacável dos seres superiores, acaba por repelir o pobre homem com um gesto da sua gigantesca mão. «Então o Anjo, baixando a face compadecida, alargou os braços e deixou cair na escuridão do Purgatório a alma de frei Genebro.» És santo, mas aleijaste um porco. Estás tramado.

Nós todos, em conjunto, com o nosso olhar implacável sobre alguns pobres humanos apanhados no holofote da fama imediata, somos esse Deus implacável. Até ao dia em que nos calha a nós sermos as vítimas.

O peso da (7) vergonha

Estes momentos de vergonha pública são um problema porque vão acompanhar a pessoa ou organização de forma muito mais intensa do que acontecia há uns anos.

Reparem: há uns séculos, alguém envergonhava outra pessoa em praça pública e o envergonhado, se reconhecesse a culpa, lá baixava a cabeça — mas, enfim, sempre podia mudar de cidade ou esperar pacientemente que a memória dos vizinhos começasse a falhar.

Durante o século XX, a vergonha pública acabava por desaparecer mesmo se tivesse sido relatada nos jornais e na televisão. Anos depois, só quem fosse às hemerotecas saberia o que se tinha passado com aquela pessoa (há excepções, bem sabemos).

Hoje, basta ir ao Google. A vergonha acompanha a pessoa para sempre, à distância duma pesquisa na Internet.

Isto não seria grave se as razões para estas vergonhas não fossem tão aleatórias e, às vezes, tão triviais. Reparem: o tal homem do vídeo está a ser criticado porque os filhos entraram no quarto. Foi só isso que aconteceu!

Julgam que o caso não é sério? Proponho-vos a leitura de um livro (que, infelizmente, ainda não está traduzido em português): So You’ve Been Publicly Shamed. Verão as consequências duradouras e pouco conhecidas da exposição pública intensa e descontrolada nestes tempos de partilhas virais por milhões de pessoas.

Todos nós ouvimos falar destas famas fugazes, mas não sabemos o que acontece às vítimas quando a atenção desaparece. O autor do livro, Jon Ronson, foi saber. O resultado é magnífico, perturbador e hilariante. Vale bem a pena ler o livro.

E também vale a pena descontrair e rir daquele vídeo que nos faz lembrar como a vida familiar consegue ser deliciosa. Deixem lá as vergonhas públicas para quem as merece.

(Crónica publicada no Sapo 24 em Março de 2017.)

Receba os próximos artigos

Marco Neves

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *