Certas PalavrasMarco Neves | Línguas e outras viagens

Toda a verdade sobre o sapo e a princesa

Fui ler a versão original da história do sapo e da princesa e do mais famoso beijo das histórias encantadas. Não correu como eu esperava…

A história do sapo e da princesa: desde as histórias de adormecer aos desenhos animados, quantas vezes não aparece o sapo e a sua princesa — que, fechando os olhos às aparências, dá um beijo ao animal e o transforma num príncipe.

Pois, deu-me para ir procurar a história tal como escrita pelos Irmãos Grimm. Pus-me a ler, à espera da velhinha história que conhecia, quando comecei a perceber que aquilo não era bem como me tinham contado…

Quando acabei de ler, estava de boca aberta. Como é que nunca ninguém me tinha dito que a história era assim? Só me apeteceu andar pela rua a gritar toda a verdade sobre o sapo e a princesa!

Contive-me. Não gritei nada a ninguém. Guardei a história para mim. Pouco depois, fuibuscar os meus filhos à escola, com a minha mulher. Ia já com a história debaixo da língua, à espera da primeira oportunidade. Enquanto não chegávamos à escola, lá fui conversando com a Zélia sobre os temas do dia, a ouvir rádio, a esperar pacientemente que os semáforos passassem a verde, a avançar pelas ruas lentas do trânsito — mas só conseguia pensar no sapo, na princesa e no que de facto aconteceu.

Quando já estávamos os quatro no carro, o Matias distraído, nos seus dois anos, a olhar para o espanto que é haver ruas com pessoas e carros, o Simão a contar o que se passara na escola, a Zélia a ouvi-lo e a responder, não me contive mais…

— Conhecem a história do sapo e da princesa? 

— A princesa que deu o beijo ao sapo?

Isto disse o Simão. A Zélia olhou para mim já a estranhar a lembrança fora de horas.

— Pois, essa mesmo. Parece que afinal… Enfim, oiçam a história verdadeira…

E lá contei a história, que convido o caríssimo leitor a ler na versão dos Irmãos Grimm. 

Se não tiver agora tempo, faço um resumo. A princesa deixa cair uma bola dourada, que cai num poço. Um sapo oferece-lhe ajuda para recuperar a bola, com a condição de que, depois, a princesa o levasse para o castelo, para jantar com ela e dormir na mesma cama. A princesa aceita, pensando para os seus botões que promessas feitas a sapos não são para cumprir. Quando o sapo lhe dá a bola, a miúda desata a correr, que já estava na hora de voltar, e o sapo não a consegue acompanhar. No dia seguinte, a princesa está sentada a jantar, com seu pai, o rei, quando o sapo bate à porta… Promessas são promessas, lembra o velho rei depois de saber o que se passara — e a princesa acaba por ter de dar jantar ao sapo. No fim, antes de dormir, a rapariga ainda tenta fechá-lo fora do quarto, mas nada feito: o sapo exige dormir na cama dela, tal como prometido. A princesa, enojada, não aguenta mais…

O Simão e a Zélia (e, talvez, o Matias) ouviam a história, já a estranhar o rumo que tudo aquilo levava. Como é que dali sairia um beijo?

— Foi então — continuei eu — que a princesa pega no sapo e o atira com toda a forçacontra a parede. Quando cai da parede, já era um belo príncipe… 

Silêncio no carro. Só se ouve, baixinho, a música da rádio. Pelo retrovisor, vejo que o Simão está com as sobrancelhas franzidas, com cara de «o meu pai não é bom da cabeça». Já a Zélia, ainda esperançosa de que o mundo fosse como nos contaram, pergunta: 

— E depois deu-lhe um beijo?

— Não, não há beijo nenhum na história. Embora, enfim, o príncipe e a princesa, depois de a história acabar…

— O quê, pai?

— Nada, nada!

A Zélia continuava a olhar para a cidade, a sentir o mesmo que eu sentira horas antes, perante a história verdadeira. O Pai Natal não existe — e a princesa não beijou o sapo! O beijo foi acrescentado ao conto depois, pelos pais e mães que não gostavam de esborrachar um príncipe contra a parede. 

O Simão lá declarou: 

— Um beijo faz muito mais sentido!

Pois faz, digo eu. Mas a história era assim… E muita sorte teve o sapo dos Irmãos Grimm: há versões em que ela lhe corta a cabeça. No fim, o que vale é que o sapo se transforma sempre num príncipe. (Também aparece na história um tal de Henrique, que estava com o coração preso por ferros havia muitos anos, mas fica para outro dia. Já basta de confusões infantis.)

O certo é que nesse dia continuámos a conversar sobre as histórias de encantar. Imaginámos a história com beijo e sem beijo, sempre acrescentando os tais pontos que se acrescentam aos contos para se irem tornando nas memórias de infância de todos nós. O Simão talvez se lembre, um dia, não só do sapo que se transformou num príncipe, mas também dessa viagem por Lisboa em que lhe contei a verdade sobre a irritadiça princesa que atira com batráquios à parede. Histórias são histórias, com ou sem beijos.

(Crónica no Sapo 24. Imagem de Zdeněk Chalupský por Pixabay.)

Receba novos artigos

Autor
Marco Neves

Tradutor na Eurologos, professor na Universidade Nova de Lisboa e autor da Gramática para Todos.

Comentar

Certas Palavras
Blogs do Ano - Nomeado Política, Educação e Economia