Certas PalavrasPublicação de Marco Neves sobre línguas e outras viagens

Um novo pronome para a língua inglesa?

grammar

McWhorter (um excelente linguista norte-americano) explica-nos neste artigo (em inglês) como é extraordinariamente difícil mudar os pronomes de uma língua de forma consciente.

Os substantivos e adjectivos mudam constantemente — McWhorter compara-os ao software, que podemos instalar e desinstalar em qualquer computador sem grandes problemas.

Já os pronomes são parte do hardware da língua. Não são imutáveis, mas qualquer mudança demora muito mais tempo.

Não quer dizer que não mudem: o «thou» inglês desapareceu e, no que toca à nossa língua, o «você» substituiu o «tu» no Brasil.

Ora, vem esta discussão a propósito das propostas (que já vêm de há algumas décadas) para criar um pronome neutro na língua inglesa. McWorther discute o «ze», que serviria para nos referirmos a uma pessoa sem que fosse necessário explicitar o género.

Se quiserem perceber o porquê destas propostas, leiam o artigo. Ficarão também a perceber um pouco melhor o porquê de haver tanta gente que usa o «they» ou «their» para se referir a alguém cujo sexo desconhecemos.

Há quem jure que é um erro gravíssimo. Mas talvez não seja bem assim. Leiam, leiam…

Autor
Marco Neves

Tradutor na Eurologos, professor na Universidade Nova de Lisboa e autor da Gramática para Todos.

Comentar

3 comentários
  • Não é inédito. Na Suécia também tentaram durante muito tempo introduzir um pronome neutro, “hen”, que só foi aceite no ano passado.

  • Não é bem assim com relação ao pronome “você” substituir o “tu” no Brasil. O tu continua a ser usado na região norte , no sul (Rio Grande) e no nordeste. No norte temos um diferencial: no Amazonas usamos os dois pronomes, sendo o pronome tu voltado para pessoas com quem temos familiaridade e pronome você dirigido aos estranhos.

    • Sim, há uma grande variação. Pelo que me descreve, o uso no Amazonas é igual ao uso em Portugal. Obrigado pela nota.

Certas Palavras
Blogs do Ano - Nomeado Política, Educação e Economia