Categories
Crónicas

Um sorriso e um pátio andaluz

Fiquem com este outro quadro de Julio Romero de Torres, o pintor que me calhou na rifa no último artigo. Não é um quadro para marcar a vida de ninguém, mas por algum motivo gosto muito da cara simpática da velhota com a menina a dormir ao colo (o quadro chama-se Mal de amores). A senhora já sabe o que a casa gasta nesta coisa de amores: sabe que a mulher de ar sombrio (será a filha?) fazia bem em encolher os ombros e ir para o pátio andaluz que apetece tanto, lá atrás…

Receba os próximos artigos

Marco Neves

2 comentários

Belo quadro.
Mas não será esse contrate entre luz e sombra, entre juventude e idade madura , entre inocência e desilusão, que dá profundidade e mistério ao quadro tornando a claridade do pátio andaluz apetecível?
Sem sombra não reparamos na luz… em,todos os sentidos.
E não divagam que a arte antiga /clássica não vivia já do conceito”?!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *