Certas PalavrasPublicação de Marco Neves sobre línguas e outras viagens

Uma língua só com verbos irregulares?

Todos sabemos como são os verbos irregulares: umas palavras mal-comportadas, que têm umas regras a cumprir e dão-se ao luxo de as ignorar só porque sim.

O inglês, por exemplo, tem as suas regras de formação do passado, com o “ed”, mas depois lá vêm os verbos irregulares trocar-nos as voltas, rindo-se de nós, pobres aprendizes de línguas estrangeiras: “ah, connosco tens mesmo de decorar”. E ficamos com os “drank”, “sang”, “put” e outros que tais.

Curiosamente (não sei se já repararam), as crianças não têm qualquer problema em aprender os verbos irregulares da sua própria língua: dão um ou outro tropeção inicial e depois nunca mais se lembram do problema.

Tanto assim é que é muito difícil para qualquer um de nós dizer quais são os verbos irregulares da nossa própria língua.

Parece que o cérebro dos bebés aprende qualquer língua, independentemente da complexidade.

E, o certo, é que existe pelo menos uma língua cujos verbos são todos irregulares: o navajo. Esta língua norte-americana (que chegou a ser usada como código de comunicação durante a II Guerra Mundial) tem verbos que odeiam regras. Nenhum deles segue uma qualquer tabela de conjugação.

Então, como é isto possível?

É possível, claro: as crianças que aprendem navajo como língua materna não notam que há qualquer coisa de diferente na sua língua.

Já os adultos que se atrevem a aprender esta velha língua índia vêem-se a braços com uma tarefa digna dum Hérculas das línguas.

Um livro interessante que descreve o fenómeno (e ainda apresenta uma excelente teoria sobre a razão por que línguas como o inglês e o persa são tão regulares) é What Language Is, de John McWhorter.

Bem, quem não quiser leituras deste tipo, fique-se por aprender a dizer os números em navajo (se conseguir):

  1. tʼááłáʼí 
  2. naaki 
  3. tááʼ 
  4. dį́į́ʼ 
  5. ashdlaʼ 
  6. hastą́ą́ 
  7. tsostsʼid 
  8. tseebíí 
  9. náhástʼéí 
  10. neeznáá 
Autor
Marco Neves

Tradutor na Eurologos, professor na Universidade Nova de Lisboa e autor da Gramática para Todos.

Comentar

1 comentário
  • Caríssimo autor, boa noite.
    Muito interessante seu artigo e destaco a minha felicidade de conhecer sua página.
    O que me fez chegar até aqui foi uma indagação pífia, curiosidades que nos permitimos ter, mas que se transforma em tarefa Hercúlea quando a única fonte de consulta moderna e Google.
    Pois bem, permita-me perguntar-lhe:
    Verbos irregulares são características da linguagem humana como um todo ou algo específico de um idioma (ou de todos os que herdam de outro, como o latim, por exemplo) …Verbo que Foge da regra é algo extremamente comportamental do ser humano, mas da um trabalho pra entender … (rs). Obrigado

Certas Palavras
Blogs do Ano - Nomeado Política, Educação e Economia