Certas PalavrasPágina de Marco Neves sobre línguas e outras viagens

Uma nova entrada no Dicionário de Erros Falsos: «para além disso»

dictionary-698538_640

Tenho vários «erros» para adicionar ao Dicionário de Erros Falsos. Mas hoje, por causa deste artigo da Visão, deixei esses outros erros para trás e adiantei-me com este: «para além disso». Sim, há quem ache que «para além disso» é um erro e prometa lutar para sempre contra esta expressão. Vá lá, deixem-se disso. A língua portuguesa merece mais do que estas perseguições sem sentido a expressões bem jeitosas.

«Para além disso». Ainda há pouco tempo li quem quisesse banir esta expressão. Porquê? Porque é uma redundância. Ah, o medo! E, no entanto, a redundância é uma das características essenciais das línguas humanas. Sem ela, não seria possível comunicar. (Tento explicar isso neste artigo.) Pois bem, o que propunha quem proibia «para além disso»? Estas duas expressões, supostamente mais correctas: «além de» ou «para lá de». Mas porquê? Porquê? Se a segunda destas expressões até tem o mesmo número de palavras… Será uma questão de número de caracteres? Mas então?… Temos mesmo de escrever em forma de telegrama, com o menor número de caracteres possível? Ou o problema será existirem várias expressões para dizer a mesma coisa? Querem mesmo uma língua ali no osso, só com as palavras essenciais e mais nenhuma? Camões nunca teria escrito Os Lusíadas se a nossa língua fosse essa espécie de matemática aterradora em que só podemos ter uma expressão para cada significado e sempre a expressão mais pequena possível… Enfim, «para além disso» teve o azar de servir como exemplo para o tal medo da redundância. Vai daí, aparece num artigo qualquer sobre «erros». Resultado? Nada: ninguém fica a escrever melhor por evitar esta boa expressão.

Receba os próximos artigos


Autor
Marco Neves

Professor na Universidade Nova de Lisboa, tradutor na Eurologos e autor da História do Português desde o Big Bang.

Comentar

2 comentários
  • Agradeço por seus artigos, professor Marco Neves.
    Alerto para a grafia da palavra “porquê” nesse texto. Creio que o senhor quis dizer “por quê”, certo?

    • Muito obrigado pelo comentário e pelo aviso. No entanto, em português de Portugal, a forma habitual e correcta é mesmo “porquê”. Até breve! 🙂

Certas Palavras

Receba os próximos artigos

Subscription received!

Please check your email to confirm your newsletter subscription.

Autor

Marco Neves

Blogs do Ano - Nomeado Política, Educação e Economia